Demissão: sair em busca de outro emprego no dia seguinte não é uma boa ideia

Claudia Gasparini,

São Paulo – Como você reagiria se descobrisse amanhã que foi demitido? Em alguns

casos, a notícia pode dar vazão a grandes explosões emocionais.

Foi o que aconteceu com um funcionário dispensado pelo McDonald’s, no estado de

Minesotta, nos Estados Unidos. Sua reação, gravada pelo celular de uma das

testemunhas, teve mais de 4 milhões de visualizações no YouTube.

Não é para menos: o espetáculo de fúria do rapaz incluiu uma discussão aos berros

com o chefe na frente dos clientes, além de uma chuva de copos, canudos,

guardanapos e até ketchup pelo chão do restaurante.

A angústia causada por uma demissão pode ser inevitável – mas é melhor evitar que o

“chacoalhão” emocional se transforme num terremoto.

Segundo Henrique Gamba, gerente-executivo da Talenses, ceder ao pânico é

temerário para a carreira, sobretudo a longo prazo. “É preciso aceitar as regras do

jogo, ou você correrá o risco de mostrar pouco profissionalismo diante do mercado”,

afirma.

O que muita gente esquece é que empregos são baseados em contratos, diz Silvio

Celestino, sócio-fundador da Alliance Coaching. “São acordos temporários, isto é,

podem ser quebrados a qualquer momento por ambas as partes”, explica.

Por essa razão, aconselha o especialista, ter um mínimo de distanciamento emocional

é importante.  “Alguns executivos lidam mal com a demissão porque confundem sua

identidade pessoal com a profissional, e não sabem mais quem são fora daquela

empresa”, afirma.

Planejamento financeiro também ajuda: quem investiu em fontes alternativas de renda

consegue administrar melhor a perda do emprego a médio prazo.

Mas como não colocar tudo a perder? Para começar, é bom evitar as seguintes

reações, dizem os especialistas ouvidos por EXAME.com:

1. Queixar-se sobre o ex-empregador 

Gamba e Celestino concordam veementemente sobre um ponto: falar mal da empresa

anterior é o maior de todos os pecados do profissional dispensado – por mais que ele

tenha suas razões.

“Quem adota uma postura de vítima numa entrevista de emprego, por exemplo, é

muito mal visto”, diz Gamba. “Passa a mensagem de que o candidato não aprendeu

nada com a experiência”.

O mesmo vale para “desabafos” nas redes sociais. “Nunca se sabe o dia de amanhã”,

comenta Celestino. “Você pode reencontrar chefes e colegas em futuros empregos”.

Como nada desaparece completamente da internet, é bom se conter.

2. Sair em busca de outro emprego no dia seguinte 

Por mais preocupado que você esteja com as suas finanças, é importante respirar um

pouco antes de caçar uma nova oportunidade.

De acordo com Gamba, a pressa leva a escolhas erradas. “Não abrace a primeira

vaga que aparecer”, diz o especialista. “Se ela não acrescentar nada à sua carreira,

será perda de tempo e ainda deixará uma mancha no seu currículo”.

3. Tirar férias não planejadas

Demorar demais para reagir é tão perigoso quanto se precipitar. Isso porque longos

períodos de afastamento podem gerar isolamento e desatualização, segundo

Celestino.

A não ser que você realmente tenha programado um intervalo na sua carreira, o ideal

é voltar o mais rápido possível ao mercado de trabalho. Para não perder o ritmo, é

bom acordar cedo e manter uma rotina disciplinada até conseguir uma nova

oportunidade.

4. Omitir a demissão da sua trajetória

Além de ser desonesto, esconder o fato de que você foi dispensado é inútil, segundo

Gamba.

“O mercado está sempre conversando, então consegue desmascarar facilmente uma

mentira desse tipo”, diz ele. A postura mais correta é dizer a verdade sobre a

demissão – com ênfase, claro, nas lições que ela trouxe para o seu desenvolvimento

profissional.

Outro erro está em demorar propositalmente para atualizar a informação no LinkedIn.

“O mercado hoje tem visto com maus olhos quem ‘esquece’ o emprego passado no

perfil como se fosse atual”, afirma Celestino.

Comments are closed.

Login

Perdeu sua senha?